Web Pais: Orientação parental das atividades escolares em casa em tempos de pandemia

Clique AQUI para fazer sua inscrição!

Ensinar o dever de casa ao seu filho ou filha é um pesadelo ou um desafio que você tira de letra? Para a grande maioria dos pais, o envolvimento com os filhos durante essas tarefas acaba sendo um momento de estresse e um desencadeador de conflitos mais do que uma oportunidade de aprendizado. O modo como essas dificuldades se apresentam em cada família depende de fatores como características comportamentais das crianças, as formas pelas quais os cuidadores interagem com seus filhos, as crenças e emoções que os pais nutrem em relação ao seu papel e os tipos de estratégias utilizadas para a aplicação da disciplina.  Enquanto alguns pais se envolvem com os seus filhos de maneira mais autoritária e despendem menor investimento afetivo, há outros que optam por condutas mais permissivas, não impõem regras claras ou estabelecem limites. Por outro lado, existem também aqueles que conseguem exercer o controle por meio das regras e são capazes de incentivar a autonomia dos filhos, dando suporte emocional de forma equilibrada.

Os impactos do envolvimento parental com os filhos é uma variável importante na promoção do desempenho acadêmico, motivação escolar, interesse pelos estudos, desenvolvimento de disciplina, autoeficácia e autorregulação (1–7). Por isso ele deve ser considerado não apenas na quantidade de tempo despendido, mas também na qualidade da interação envolvida, isto é, nos tipos de estratégias e práticas adotadas pelos pais durante o seu envolvimento com os filhos (8–10). 

Os pesquisadores norte-americanos Eva Pomeranz e Scott Litwalk, por exemplo, descreveram num trabalho em 2007, seis tipos de suporte parental que possuem diferenças marcantes na forma e qualidade de envolvimento dos pais com seus filhos: suporte para autonomia, suporte baseado no controle parental, suporte com afeto positivo e negativo, envolvimento focado no processo (tipo de envolvimento em que os pais prestam maior atenção no esforço dos seus filhos) e envolvimento focado nas características pessoais da criança (tipo de envolvimento em que os pais acreditam que o desempenho dos filhos se relaciona mais fortemente às características de inteligência e personalidade). Dessa forma, práticas parentais de maior suporte para autonomia, que se baseavam no cultivo de afetos e crenças positivas sobre as questões escolares, assim como condutas parentais que reconheciam mais o esforço e dedicação dos filhos nas tarefas, apresentaram correlações positivas e efeitos potencializadores no aprendizado, desempenho e motivação dos filhos para o envolvimento escolar (2,9,11–14).

E o que o dever de casa tem a ver com tudo isso? Ora, dentro das rotinas escolares, o momento do dever de casa é aquele no qual as práticas parentais têm maior espaço de ocorrência. Porém, frequentemente, neste momento, acabam ocorrendo diversos conflitos, discussões e um aumento considerável dos níveis de estresse e frustração tanto dos pais quanto das crianças/adolescentes.

Isto posto, devemos prestar mais atenção ao momento dessa atividade, pois o dever de casa é uma ferramenta importante para a aprendizagem que, somada às práticas de envolvimento mais funcionais, podem gerar resultados positivos no desempenho acadêmico, no desenvolvimento cognitivo e também nas habilidades socioemocionais (15–17).

Além disso, neste momento de pandemia e de educação remota, muitos pais estão encarando grandes desafios com os filhos dentro de casa. Questões associadas à falta de organização das crianças com a rotina, a aparente falta de interesse com as atividades da escola, as birras, desobediência e a frustração dos pais de não conseguir ensinar os filhos ou fazer com que cumpram os combinados, dentre diversos outros pontos, são exemplos de situações que podem estar trazendo tensões nas famílias.

Pensando nestas questões, o projeto de pesquisa e extensão“Desenvolvimento e estudo da viabilidade do “Web Pais”: Orientação parental das atividades escolares em casa em tempos de pandemia” desenvolvido pelo Laboratório de Neuropsicologia do Desenvolvimento (LND-UFMG), com apoio do Laboratório de Pesquisa e Intervenção Cognitivo-Comportamental (LaPICC-USP), tem como proposta uma intervenção de orientação de pais em grupo adaptada para o contexto virtual. O objetivo do programa é promover benefícios para a rotina familiar, tendo em vista auxiliar os pais de crianças com idades entre 06 a 14 anos. Além disso, esperamos com este programa desenvolver nos participantes da intervenção, práticas educativas mais positivas, avaliar os efeitos da intervenção nos níveis de estresse parental, promover mudanças das crenças de autoeficácia nutridas pelos pais e promover maior envolvimento e interesse dos pais pelas atividades escolares e a qualidade da interação entre pais e filhos.

Sabemos que ensinar o dever de casa ou se envolver nas demais tarefas escolares não é fácil, principalmente quando nos aventuramos nesse desafio sem nenhuma forma de suporte. Pensando nisso, o projeto Web Pais procura auxiliar os pais nessa empreitada, oferecendo informações, técnicas e estratégias baseadas em evidências científicas das Neurociências e da Psicologia.

A participação se dará em duas etapas. A primeira delas envolve o preenchimento de  um formulário online de inscrição (inscrição pelo link: https://forms.gle/U6b9T2eScVboKL5eA)  com perguntas sobre práticas parentais, comportamento infantil e comportamentos relacionados à depressão, ansiedade e estresse. Realizada a inscrição, será montada uma lista de participantes. O convite para participar dos grupos será realizado de acordo com a ordem de inscrição e a medida em que os grupos de intervenção foram sendo formados. 

Na segunda etapa, os inscritos participarão do programa WebPais. O programa será realizado em grupo de até 08 participantes através da plataforma Google Meets duas vezes por semana e terá um total de 06 encontros com duração de 80 minutos, sujeita à disponibilidade de vagas. Os dias e os horários dos encontros serão comunicados após a inscrição. Os atendimentos serão realizados pela psicóloga Myrian Silveira, mestranda do programa de pós-graduação em Neurociências da UFMG e dois assistentes de pesquisa, sob supervisão de Maria Isabel Pinheiro e os professores Dr. Vitor Geraldi Haase e Dra. Carmem Beatriz Neufeld.

Vinicius Junio da Silva, Maria Isabel Araújo e Myrian Silveira

Se você se familiarizou com os aspectos mencionados ou conhece alguém que apresente desafios para lidar com os filhos, convidamos vocês a participarem da nossa pesquisa! 

Nos vemos no Web Pais!

Em caso de dúvidas podem entrar em contato conosco por meio do e-mail:  webpais.lnd@gmail.com 

Equipe de pesquisa:
Coordenador:
Prof. Dr. Vitor Geraldi Haase (LND-UFMG)
Aluna de pós-graduação:
Myrian Machado de Paula Silveira (LND-UFMG)
Colaboradores: Profa. Dra. Carmem Beatriz Neufeld (LaPICC-USP) e Psicóloga Dra. Maria Isabel dos Santos Pinheiro (LND-UFMG)

Alunos de Iniciação Científica: Vinicius Junio Goes da Silva (LND-UFMG) e Maria Isabel Chaves Araújo (LND – UFMG)

Laboratório de Neuropsicologia do Desenvolvimento (LND). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Psicologia. Avenida Presidente Antônio Carlos, 6627 – Pampulha, Belo Horizonte – MG, 31270-901, telefone (31)3409-6295. 

REFERÊNCIAS

1. Cunha, J. S., Nunes, A. R. S., Martins, J. A. O. & Moreira TMT. Tarefa para casa: sim ou não? Uma perspectiva autorregulatória da aprendizagem. Rev Educ PUC-Campinas [Internet]. 2018;23(3):385–406. Available from: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/4105

2.    Dumont, H., Trautwein, U., Lüdtke, O., Neumann, M., Niggli, A., and Schnyder I. Does parental homework involvement mediate the relationship between family background and educational outcomes? Contemp Educ Psychol [Internet]. 2012;3:55–69. Available from: encurtador.com.br/tzEIS

3.    Grolnick, W. S., & Slowiaczek ML. Parents’ involvement in children’s schooling: A multidimensional conceptualization and motivational model. Child Dev [Internet]. 1994;65(1):237–52. Available from: https://www.jstor.org/stable/1131378?seq=1

4.    Hoover-Dempsey K V., Bassler OC, Burow R. Parents’ Reported Involvement in Students’ Homework: Strategies and Practices. Elem Sch J [Internet]. 1995 May [cited 2020 Sep 28];95(5):435–50. Available from: https://www.journals.uchicago.edu/doi/10.1086/461854

5.    Huntsinger CS, Jose PE, Larson SL. Do parent practices to encourage academic competence influence the social adjustment of young European American and Chinese American children? Dev Psychol [Internet]. 1998 Jul [cited 2020 Sep 28];34(4):747–56. Available from: http://doi.apa.org/getdoi.cfm?doi=10.1037/0012-1649.34.4.747

6.    Frome PM, Eccles JS. Parents’ Influence on Children’s Achievement-Related Perceptions. J Pers Soc Psychol [Internet]. 1998 [cited 2020 Sep 28];74(2):435–52. Available from: http://doi.apa.org/getdoi.cfm?doi=10.1037/0022-3514.74.2.435

7.    Silinskas G, Kikas E. Parental Involvement in Math Homework: Links to Children’s Performance and Motivation. Scand J Educ Res [Internet]. 2019 Jan 2 [cited 2020 Sep 28];63(1):17–37. Available from: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/00313831.2017.1324901

8.    Dos Santos JLF, Da Fonsêca PN, Da Costa Brasileiro T, De Andrade PO, Freitas NBC. A relação entre os estilos parentais e o engajamento escolar. Temas em Psicol [Internet]. 2014 Dec 1 [cited 2020 Sep 28];22(4):759–69. Available from: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v22n4/v22n04a07.pdf

9.    Pomerantz EM, Wang Q, Ng FFY. Mothers’ affect in the homework context: The importance of staying positive. Dev Psychol [Internet]. 2005 Mar [cited 2020 Sep 28];41(2):414–27. Available from: http://doi.apa.org/getdoi.cfm?doi=10.1037/0012-1649.41.2.414

10. Salvo Toni, C. G., & Hecaveí VA. Relações entre práticas educativas parentais e rendimento acadêmico em crianças. Psico-USF [Internet]. 2014;19(3*):511–21. Available from: https://www.scielo.br/pdf/pusf/v19n3/14.pdf%0A

11. Cia F, Pamplin RC de O, Williams LC de A. O impacto do envolvimento parental no desempenho acadêmico de crianças escolares. Psicol em Estud [Internet]. 2008 Jun [cited 2020 Sep 28];13(2):351–60. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722008000200018&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

12. Karbach J, Gottschling J, Spengler M, Hegewald K, Spinath FM. Parental involvement and general cognitive ability as predictors of domain-specific academic achievement in early adolescence. Learn Instr [Internet]. 2013 Feb [cited 2020 Sep 28];23(1):43–51. Available from: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0959475212000734

13. Núñez JC, Regueiro B, Suárez N, Piñeiro I, Rodicio ML, Valle A. Student perception of teacher and parent involvement in homework and student engagement: The mediating role of motivation. Front Psychol [Internet]. 2019 Jun 13 [cited 2020 Sep 28];10(JUN):1384. Available from: https://www.frontiersin.org/article/10.3389/fpsyg.2019.01384/full

14. Pomerantz EM, Moorman EA, Litwack SD. The how, whom, and why of parents’ involvement in children’s academic lives: More is not always better. Rev Educ Res [Internet]. 2007 Sep 24 [cited 2020 Sep 28];77(3):373–410. Available from: http://journals.sagepub.com/doi/10.3102/003465430305567

15. Bas, G., Senturk, C., & Cigerci FM. Homework and academic achievement: A meta-analytic review of research. Iss Educ Res [Internet]. 2017;27:31–50. Available from: http://www.iier.org.au/iier27/bas.pdf%0A

16. Cooper H, Robinson JC, Patall EA. Does homework improve academic achievement? A synthesis of research, 1987-2003 [Internet]. Vol. 76, Review of Educational Research. 2006 [cited 2020 Sep 28]. p. 1–62. Available from: http://journals.sagepub.com/doi/10.3102/00346543076001001

17. Patall EA, Cooper H, Robinson JC. The Effects of Choice on Intrinsic Motivation and Related Outcomes: A Meta-Analysis of Research Findings. Psychol Bull [Internet]. 2008 Mar [cited 2020 Sep 28];134(2):270–300. Available from: http://doi.apa.org/getdoi.cfm?doi=10.1037/0033-2909.134.2.270

Aula sobre “Origens psicossociais da incerteza no pandemônio viral”

Clique aqui para assistir a aula do Prof. Dr. Vitor Haase.

Essa apresentação foi proferida por ocasião do encerramento do curso livre sobre “Construção do número pela criança”. O curso livre foi implementado em substituição a uma disciplina de pós-graduação que estava programada para o primeiro semestre de 2020. Com o advento da pandemia e adoção de medidas de distanciamento social não foi possível ministrar a disciplina de forma presencial. Como a maioria das universidades federais não aceitou que as aulas fossem ministradas de forma remota e como havia muitos alunos de matrícula isolada, a opção foi transformar a disciplina em um curso livre. O curso se desenvolveu entre 16 de março a 6 de julho de 2020 e contou com a presença de cerca de 30 alunos. O curso livre foi ministrado de forma gratuita.

A presente apresentação foi inspirada pela leitura de um artigo por Van Bavel e cols. (2020), os quais propuseram um modelo de seis fatores para explicar as origens psicossociais da incerteza na pandemia por COVID-19: a) Percepção de risco e tomada de decisão; b) Contexto social; c) Conflito de interesses; d) Liderança; e) Comunicação científica; f) Estresse e coping. O artigo está disponível gratuitamente na internet (https://mbl.stanford.edu/…/2020_covidperspective_van_bavel_…). É importante frisar que a apresentação foi apenas inspirada pelo artigo, não correspondendo seu conteúdo inteiramente ao original.

A apresentação consiste de 110 slides, sendo dividida em três partes, cada uma com duração em torno de 30 minutos.

Aula do Prof. Dr. Vitor Haase:

Com quantos bytes se reduz a ansiedade matemática? A inclusão digital como uma possível ferramenta na promoção do capital mental.

A ansiedade matemática (AM) é uma entidade nosológica referente a um sentimento de tensão, medo ou apreensão, que interfere no desempenho matemático. Sua etiologia é, provavelmente, multifatorial, sendo que ser do sexo feminino e apresentar baixo desempenho em tarefas aritméticas são fatores de risco para o desenvolvimento desse tipo de ansiedade. A AM causa grandes impactos nos âmbitos socioeconômico e pessoal, à medida que dificulta a inserção no mercado de trabalho, e que impõe demandas cada vez maiores no conhecimento matemático, além de propiciar comportamento de bullying e de exclusão no âmbito escolar. É importante a compreensão das características preditoras e as consequências da ansiedade matemática para que sejam traçadas estratégias que propiciem seu manejo, principalmente com o uso de computadores, o que, por consequência, levaria a um aumento na inclusão digital.

Para saber mais, clique no link.

Link para acesso ao “II Encontro Mineiro de Neuropsicologia Escolar: Cognição Numérica”

É com prazer que informamos que o “II Encontro Mineiro de Neuropsicologia Escolar: Cognição Numérica” terá início hoje (25/05), às 13h (BRT)! Agradecemos sua participação.

Por meio do link disponível, você terá acesso ás palestras do evento durante o período divulgado na programação.

Para acessar à programação e mais informações sobre o evento acesse a nossa página.

Contamos com a sua presença!

II Encontro Mineiro de Neuropsicologia Escolar: Cognição Numérica

O II EMNE – Edição Especial tem o objetivo de discutir sobre a aplicação da neuropsicologia no contexto escolar, com foco na cognição numérica.
Será um evento online e gratuito , com 24 mini-aulas de 30 minutos cada, de palestrantes nacionais e internacionais.

Há, também, a possibilidade de submissão de resumos para comunicação oral e poster.

Não perca esta oportunidade!
Aguardamos a sua presença! Até breve!

Realização: LND-UFMG
Parceria: Instituto Genus & Formação Continuada em Neuropsicologia
25/05/20 a 29/05/20
13:00h às 18:00h

Para mais informações, inscrições e submissão de trabalhos, acesse o link.

Para informações detalhadas sobre os palestrantes e suas palestras, acesse o link.