Avaliação neuropsicológica: qual a sua importância?

A neuropsicologia é um campo interdisciplinar² que vem ganhando cada vez mais espaço. Lezak (2004) a define como a ciência que estuda a expressão comportamental das disfunções cerebrais. Nesse sentido, o principal foco de estudo dessa área é a relação cérebro-comportamento.

laura “A neuropsicologia preocupa-se com a complexa

organização cerebral e suas relações com o

comportamento e a cognição, tanto em quadros

de doenças como no desenvolvimento normal³”.

A avaliação neuropsicológica é uma das principais atividades exercidas pelo neuropsicólogo clínico. Para a realização da avaliação são usados exames quantitativos, qualitativos e entrevistas.  São utilizados testes e baterias neuropsicológicos na avaliação das funções cognitivas, assim como, o “olhar clínico” do profissional também é importante na interpretação dos resultados. Normalmente é feita uma entrevista clínica inicial com o paciente, que investigará sua história de vida e ajudará o neuropsicólogo na interpretação dos resultados e na condução do processo de avaliação. Um relatório final é gerado, onde estão contidos os resultados e interpretação dos mesmos.

A avaliação neuropsicológica consegue investigar e descrever as áreas cognitivas/comportamentais afetadas nos pacientes, assim como a extensão e intensidade desses prejuízos. Tal fato auxilia não só em diagnósticos diferenciais, já que vários quadros patológicos podem ser semelhantes e de difícil distinção, mas também, no planejamento e orientação de tratamentos.

Por exemplo, uma criança com dificuldade de aprendizagem da matemática (DAM), pode apresentar uma maior dificuldade com os fatos aritméticos e ter um desempenho melhor em cálculos. Outra criança, mas com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), pode apresentar como distúrbio mais proeminente a impulsividade, e não a desatenção. Ou ainda, é possível apresentar comorbidade entre TDAH e DAM. Nesse contexto, uma avaliação neuropsicológica, consegue descrever tais especificidades nos quadros desses indivíduos, que sem uma avaliação detalhada, poderiam passar despercebidas. Essa característica da avaliação neuropsicológica, portanto, nos auxilia no planejamento de intervenções direcionadas para cada sujeito.

Um dos objetivos da avaliação neuropsicológica é a investigação e descrição dos prejuízos cognitivos e afetivos que foram adquiridos em consequência de danos cerebrais¹. Nesse sentido, em casos como de tumores cerebrais, traumatismos craniencefálicos, epilepsias, acidentes vasculares cerebrais e demências, a avaliação neuropsicológica é de extrema importância.

A avaliação neuropsicológica também pode ser usada na avaliação e reavaliação de pacientes em acompanhamento de tratamentos cirúrgicos e medicamentosos, na investigação das alterações cognitivas/comportamentais que tais tratamentos possam trazer. É importante também nos contextos jurídicos, no auxílio de profissionais da área do direito, em questões como, por exemplo, verificação da sanidade mental em casos de crimes e aposentadoria precoce.

A avaliação neuropsicológica, portanto, tem se mostrado importante no auxilio de vários profissionais, e tem possibilidades de aplicação em diferentes contextos.  Alguns fatores, como a falta de instrumentos padronizados e normatizados para a população brasileira, dificultam o trabalho dos profissionais dessa área. Mas a neuropsicologia é um campo em expansão e promissor, que a cada dia, vem provando sua importância, dessa forma, o investimento em pesquisas, que visam o beneficio teórico e prático dessa área é fundamental.

Laura Rodrigues Vieira

Aluna de Iniciação Científica do Laboratório de Neuropsicologia do Desenvolvimento
Graduanda em Psicologia – Universidade Federal de Minas Gerais

  • Sturm, W. (2007). Neuropsychological assessment. In: Journal of Neurology. 254 Suppl 2, pp.II12-4.
  • McCarthy, R. A., & Warrington, E. K. (1990). Cognitive neuropsychology: A clinical introduction. Academic press.
  • Mader-Joaquim, M. J. (2010). O neuropsicólogo e seu paciente: introdução aos princípios da avaliação neuropsicológica. In: L. F. Malloy-Diniz, et al. Avaliação neuropsicológica (pp. 46-57). Porto alegre: Artmed.
  • Lezak, M. D. (Ed.). (2004). Neuropsychological assessment. Oxford university press.
  • Fuentes, D., Malloy-Diniz, L. F., Camargo, C. H. P., & Cosenza, R. M. (2008).Neuropsicologia: teoria e prática. Artmed.